O Coletivo

Blog do escritor Juliano Rodrigues. Aberto a textos gostosos de quem quer que seja. Contato: julianorodrigues.escritor@gmail.com

quinta-feira, 20 de agosto de 2015




MINHA REVOLTA


                                 Wanda Barreto Rodrigues


Ouvindo o som da noite
permaneço.

Me encendeio,
me apago.

Vagalume do tempo.
Luz e escuridão,
escuridão e luz.

Olhos sonolentos,
corpo cansado,
me enterneço.

Não me afasto.
Sem pensar
fico e observo.
Uau!

Em que parte do tempo
me perdi?
Anos se passaram,
não percebi.

Estou velha
e não vi.
Onde me perdi?

Vejo varizes...
rugas...
pele flácida...
Onde me perdi?

Olho abismada.
Onde ficou
a juventude,
a energia?

Emergi do marasmo,
caí no tempo real,
sou idosa.

Em que parte eu parei?
Nos 30, nos 40?
Que venda infame
e caridosa tive,
que não me vi?

Cabelos brancos
cobertos por tinturas,
membros nodosos,
só agora vistos.

Catarata, falhas de memória,
onde me perdi?

Na realidade cruel
me desfaço

Quero fechar meus olhos,
dormir.
Mais tarde acordar,
trazer de volta a ilusão que perdi.

Ah! Como é bom
não ver,
não sentir,
só sonhar.

Tenho 20, tenho 30,
tenho sessenta,
não importa.
Quero a ilusão de volta,
doce... mentirosa...
piedosa!

Amanhã já esqueci que sou idosa.
Somente sentirei
que estou viva... maravilhosa.

Sei que o cansaço é preguiça.
Rugas... genes ruins.
Varizes... são arvorezinhas
me enfeitando.
O resto,
é só resto.
Quero a ilusão de volta,
escandalosa e ofuscante.

Quero brilhos,
paetês.
Sons, muitos sons.
Quero a ilusão de volta.

Espero,
fico,
permaneço... ela volta.