O Coletivo

Blog do escritor Juliano Rodrigues. Aberto a textos gostosos de quem quer que seja. Contato: julianorodrigues.escritor@gmail.com

quarta-feira, 22 de abril de 2015

RESFOLEGADO

                                                                                                          
                                                                                              Juliano Barreto Rodrigues.

Temia que não desse tempo. Descia as escadas a toda velocidade, saltando degraus e se amparando aqui e ali pelo corrimão tubular, que zunia com o atrito arrastado da mão úmida, que parecia emborrachada.
Vencido o espaço, parou um instante bufando e segurando os joelhos, na tentativa de inflar direito os pulmões e ver para onde correr. Visão em túnel, músculos latejando, coração pulsando na cabeça. Direita ou esquerda? Ah, na dúvida, seguiu em frente.
Trombou com uma velhinha que rodopiou, lançando toda a badulaqueira que levava ao chão. Nem ligou, passou tirando tinta da parede e continuou feito um raio. Deu de cara com a rua.
Nossa! Estava parecendo bicho acuado. Nunca tinha sentido o poder da adrenalina dessa forma, parecia que era a derradeira luta, o momento entre a vida e a morte, em que o indivíduo é capaz de coisas que nem imagina.
De súbito percebeu que estava desgrenhado e com o peito ensopado de sangue. De quem? Seu? Não dava tempo de verificar. O lance era atravessar a praça voando e se meter em um carro. O impulso não teve o mesmo torque de antes e as panturrilhas já doíam. Será que o perigo tinha passado? Na dúvida, nova correria.
Num relance, olhou para trás e viu um rebuliço chegando. Tinha que ser rápido. Meteu a mão na maçaneta do primeiro carro que viu parado no sinal: trancado! Viu em seguida um táxi com vidros abertos, arrancou o motorista pela janela mesmo, abriu a porta por dentro e entrou. Acelerou, furou o semáforo, virou na primeira avenida que encontrou.
A senhora que estava no banco traseiro não parava de gritar. Fazia menção de pular e ele rezava para que finalmente pulasse. Foi cortando os carros enquanto conferia a cada segundo o retrovisor. Não é que a praga da mulher teve a coragem de pegar uma caneta na bolsa e meter-lhe no pescoço? No impulso acertou-a com um soco no nariz que daria dó, se não fosse autodefesa.
Agora tinha sangue até nas calças. Não sabia se tinha sido baleado, esfaqueado, ou se era da porcaria do pescoço. Largou o carro com a louca numa esquina e entrou no muquifo do lado.
Não tinha noção se estava a salvo. A única coisa que precisava era tomar dois litros de água e se limpar. Bebeu na torneira da pia abarrotada de panelas sujas. Saciado, sentou um instante na única cadeira que estava ao lado da mesa ensebada.
Sete horas da manhã. A polícia é chamada. Vizinhos haviam sentido um cheiro de coisa podre e arrombaram a porta da quitinete. Haviam encontrado um morto sentado à mesa.